Fui para o Canadá e minha bomba de insulina congelou

V.A.C e S.R.R.S, com 15 e 57 anos, foram para o Canadá neste Inverno. Durante a estadia, notaram que o controle do diabetes começou a piorar de forma muito rápida, mesmo sem se alimentarem. Como as correções não faziam efeito, a suspeita foi de obstrução do cateter. Houve melhora com a troca do sistema, mas algumas horas depois voltaram a apresentar o mesmo problema. Quando tentaram realizar nova troca, notaram que a insulina presente no reservatório e no cateter estava congelada.

As histórias, apesar de muito semelhantes, são verdadeiras e servem de alerta a todos os usuários de insulina, seja por bomba ou por canetas.  Quando viajarem a países muito frios, com temperaturas abaixo de zero, é fundamental manter a bomba de insulina dentro da roupa. As insulinas habitualmente são armazenadas em temperaturas entre 2 e 6 graus Celsius. Em temperaturas negativas, ainda mais no caso dessas duas pacientes, onde a temperatura ambiente chegou a – 19 graus, a insulina cristaliza congelando dentro do cateter, do reservatório e, no caso das canetas, dentro de seus refis.  Lembrando que após congelada, a insulina deve ser inutilizada. Muita atenção quando viajarem no Inverno!

Dr Alessandro Capatti
Dr Walter Minicucci

 

 

 

Tags: ,