A primeira bomba de insulina ‘portátil’

Dr. Arnold Kadish, de Los Angeles, é um nome especialmente importante no tratamento do diabetes. Ele pode ser considerado o pioneiro no desenvolvimento de uma bomba de insulina portátil no início dos anos de 1960 (imagem à direita).

Apesar de grande, desconfortável e pesada, a bomba era carregada nas costas e aplicava a insulina de maneira automática.

Foi só no final da década de 70 que a primeira bomba de insulina passou a ser comercializada, gerando grande entusiasmo no meio médico. Os resultados, porém, foram quase sempre decepcionantes, com bombas nada discretas, de difícil uso e com constantes erros nos mecanismos de funcionamento. Seu uso ficou restrito a casos mais complicados e de difícil controle.


O grande avanço surgiu mesmo durante os anos 90, com uma redução drástica no tamanho dos aparelhos, ficando semelhantes aos demais portáteis da época, como walkman e pagers.

Atualmente, as bombas são completamente portáteis, com capacidade de memória, cálculos e agendamento das operações. E cada vez mais investem-se em bombas que funcionem de maneira wireless (sem fio), passando a informação da dosagem de insulina a um receptor acoplado no paciente.

Por Antonio Carlos G. Barros Jr com supervisão de Dr. Walter Minicucci